.as minhas fotos

.links

.pesquisar

 

.o mesmo eu

a diferença em mim vista por vós, é a mesma por mim vista em vós.

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Fazer olhinhos

Sexta-feira, 14 de Outubro de 2005

O bife duro

Fernando e Miguel são os exploradores da cafetaria do meu local de trabalho.
Miguel é a esposa de Fernando e é uma mulher extraordinária, muito sensível como já tive algumas vezes a oportunidade de o comprovar.
No final do meu horário de trabalho, gosto de lá ir para fazer um rápido lanche antes de ir para a escola e geralmente acabamos a conversar as duas. São estes os momentos em que ela me saboreia com a sua doçura no seu cândido olhar, por vezes as suas lágrimas castanhas como os seus olhos, brotavam toda a sua sensibilidade e com as mãos abria o peito e via-se o coração é assim que Miguel é para comigo.
Temos as duas aproximadamente a minha idade e muitas coisas em comum. Na nossa relação de amizade, ela confidencia-me algumas atitudes que menos a agradava dos clientes que tinha, mas que gostava de todas as pessoas em geral porque eram simpáticas só alguns casos (poucos) mereciam o seu reparo no sentido negativo.
Eu como uma ouvinte, também sensível, enquanto comia e bebia escutava atentamente tudo que me dizia e nos momentos mais difíceis dizia-lhe palavras de conforto e acabava por sair com uma certa pena em deixa-la, porque gostava muito de falar com ela, mas o dever chamava-me.
A cafetaria abriu à relativamente pouco tempo e as infra-estrutura não são das melhores, inclusive não tem ainda cozinha dentro da cafetaria, Têm que improvisar a cozinha noutro lado, fora do espaço fechado e quando chove… é complicado. Eu sei! Ou julgo que sei?
É a cozinha de campismo com panelas grandes e fogões pequenos, kilos de batatas e bidões de agua, a luz vem de extensões do “vizinho”-quase tudo descartável, no entanto devo dizer que a higiene é rainha, mais do que em muitos lugares do mesmo ramo e com todas as condições. Tudo isto para explicar que nunca vi tristeza nos seus olhares por causa deste motivo, antes pelo contrário riam e digo riam porque são duas pessoas –a Miguel e a Nina que mais abaixo vou descrever, elas acham graça, uma graça de conformismo, de aceitação e de agradecimento, muito raro na nossa vida actual.
Miguel também diz que é como no campismo e ri, o que me fazia ainda a admirar mais.
Com sorrisos e simpatia, o lema da casa, que agrada aos clientes que aumentam cada dia que passa e eles não têm mãos a medir, trabalham como loucos na hora da refeição. Na hora certa é uma multidão pequena que chega toda de uma vez só e agrupados numa fila torta, espreitam curiosos para ver aquilo que os outros escolhem para comer e ao mesmo tempo falam uns com os outros sem olharem para os olhos deles. Coisas da sociedade! Eu também faço o mesmo quando estou acompanhada, porque prefiro o meu observar silencioso como companheiro e amigo para depois tirar as minhas conclusões.
A equipa está pronta para receber os “galifões” o Fernando está na caixa registadora a receber o xelim e coordenar todos ao mesmo tempo, ele é assim… um bom gestor; a Helena é um amor de pequena que já conheço à longa data, esta na recolha dos tabuleiros, na louça e no que der e vier; Marco e a Miguel estão no serviço de atendimento aos “pratos”, parecem baratas tontas e a Nina que é a cozinheira faz uma sopa divinal, motivo de disputa entre os esfomeados quando esta não chega para todos, também é uma querida, como todos os outros – são uma equipa de queridos.
Isto tudo para vos contar que naquele dia quando fui lá, logo de manhãzinha, disse que estava com problemas de saúde e que pensava fazer uma dieta, o Fernando, a pessoa que me atendeu, muito atencioso, como costume, sugeria um bifinho grelhado com um purezinho de batata e uma sopinha de legumes e eu concordei.
Lembro-me que lhe disse para o temperar só com sal, mas não me lembro se lhe disse que era mal passado, mas devo ter dito porque sou muito cuidadosa nos meus gostos e sei que devo sempre repetir pelo menos umas três vezes como quero as coisas, isto porque tenho poucos dentes de origem e os outros que foram comprados na dentista de S. Mamede onde costumo ir periodicamente (de dez em dez anos-hihihi); são muito delicados. Ora como sabem?! Os dentes originais são mais resistentes que os outros; também se queixam mais quando a coisa é dura mas os outros também... não sei porquê?!!! São de plástico. Acho eu? Há coisas que a minha cabecinha não entende muito bem.
Finalmente chegou a minha vez de ser atendida vou com o meu tabuleiro na mão, muito obediente e chique com um sorriso que nasceu comigo, abano com a cabeça em cumprimento e também como quem diz já cheguei e quero comer, ao Marco e á Miguel que olham para mim e também cumprimentam com um sorriso e depois a Miguel disse-me.
- Ana o teu bife vai ser grelhado agora, queres comer a sopa já que depois levo o prato?
E eu disse.
- Sim, obrigada vou sentar ali, vez ao fundo para ver o mar e sonhar.
E ela riu-se, sabe qual é o meu problema, sabe que sou uma sonhadora deambulando num mundo que só dorme.
Enquanto comia a deliciosa sopa de Nina apercebo-me da confusão que me rodeia, e estranho o muito que se tem para falar- questiono se alguém ouve o que alguém fala?
Continuando na quentura que a sopa dá, calor já apetecido nesta altura do ano estou quase a acabar quando chega a Miguel com o pratinho do meu bifinho grelhado, como eu tinha pedido. Pensava eu? Agora não tenho dúvidas que tinha pedido mal passado, porque lembro-me que disse à Miguel pelo menos três vezes, como sempre fazia.
Começo pela salada que me refresca a quentura sentida na boca, este contraste de temperaturas agrada-me sendo suave como foi; humm! e sem mais rodeios, quero provar o problemático bife e digo problemático porque foi um problema para o comer, comecei no princípio do espetar o garfo o que já foi difícil, mas quando tento cortar um naco da peça?!! Óóó…ó era dura como cornos.
Eu não queria acreditar que aquilo estava no meu prato.
O que fazer? Comer ou não comer? Eis a questão!
Optei por comer na esperança de encontrar uma parte do meio melhor, mas mais uma vez me enganei, aquilo foi um verdadeiro teste físico à minha pessoa, um desafio aos meus dentes aos originais e aos outros, que rangiam por todo o lado, os fios do animal fizeram parte da minha boca, melhor dizendo das gengivas que o próprio puré, macio e cremoso ficou duro e tinhoso.
Não muito conformada com aquela situação tentei por algumas vezes falar com a Miguel, para brincar com ela ao pedir-lhe uma motosserra para cortar o bife, mas o barulho era meu inimigo e acabei por desistir, decidi então aceitar o desafio até ao fim e depois diria alguma coisa até para brincarmos todos um bocadinho.
Foi o que fiz. Só que não correu como tinha previsto e saiu tudo ao contrário. Quando fui ter com eles, estavam os quatro sem clientes para atender no balcão e o ambiente da sala, já estava mais calmo, e eles continuavam, ali à espera que alguém quisesse mais alguma coisa; diria que estavam como os atletas numa posição de partida numa corrida, como eu quando está quase a chegar à minha hora de sair do emprego (hihihi - isto não é para se dizer rsrsrsr).
Quando me aproximo deles faço-o com um sorriso da altura e é engraçado como temos tantos sorrisos diferentes, hoje já fiz alguns -bem continuando, todos eles sorriram também para mim com um sorriso diferente, está claro! eu devia estar mesmo muito cega e aborrecida para fazer o que fiz a seguir, comecei a rir alto e a dizer que o bife era duro como cornos. Ora as outras pessoas que estavam ainda lá a acabar de comer, calaram-se e ficaram atentas ao que se estava a passar, umas mulas -penso eu – mas só agora! - Mas naquele momento foi publico escolhido para o meu espectáculo e continuei a dizer que o bife era duro como cornos e que me doíam os dentes e que ninguém se interessou pelos meus avisos que o queria mal passado pois ele estava duro porque estava muito passado, era uma sola autentica e ainda disse mais mas isto bastou para o sorriso deles fugir da cara, mas o meu continuava como se estivesse desenhado com tinta na minha cara. Ups! Fiz merda (penso agora)!
Informo que não bebi bebidas alcoólicas mas parecia que sim, porque tudo o que tinha pensado para dizer devia sair de uma forma verdadeira mas melodiosa e não como o esgar de palavras sem qualquer graça, devo ter pensado que estava num palco a representar alguma personagem de alguma revistazeca de humor negro.
O meu riso perante um mar de desculpas de todos e até daqueles que nem intervieram, um desânimo estampado na cara Miguel, que disse que para a próxima dava-me um bife da parte do vazio e cru, e a Nina essa tentava dizer qualquer que nem ouvi, eu devia estar com a cabeça atrofiada e não sei com quê?
Como é possível?
Não me conformo que, eu, numa tentativa em dizer algo que me incomodou mas que até achei graça e nisso um motivo para rir com o restante pessoal, até porque ninguém me ofendeu?!! Mas porquê que não consegui dizer tudo num tom de voz mais simpático e agradável?
Na sua vez, sai um tom de voz que não programei, um tom de queixinhas e de ofensa porque no fundo chamei-lhes incompetentes.
- Porquê que fiz isso? - Se não era isso que eu queria fazer/dizer.
Deus, ainda não me ensinou a superar esses meus lapsos de comportamento, mas continuarei a pedir-lhe até o conseguir.
A minha actuação foi até a minha saída do local, sempre a rir como se tivesse dito algo inofensivo e engraçado mas na verdade o que fiz foi culpar alguém e esse alguém era a cozinheira ou então alguém que não disse o que devia dizer à cozinheira e esse alguém era a Miguel a minha amiga que esteve sempre de feições vermelhas e sem o seu sorriso, terno e sincero.
Mas o mais curioso disto tudo é que não me lembrei da cena durante a tarde, de vez em quando tentava tirar uns fios que ficaram teimosamente nos dentes, além de os ter lavado, nesses momentos lembrava-me do bife duro, só não me lembrava da cena que fiz perante os meus amigos.
Em casa à noite ao fazer o jantar para mim e para o meu marido resolvi fazer umas lulas que julgava eu que já estavam mortas mas pelos vistos ainda não estavam! Pulavam, ou melhor dizendo, nadavam pela frigideira fora, explosões por todo a cozinha - uma verdadeira batalha de lulas e Ana, levei aquilo a peito e recorri à minha armadura (um testo de panela) mas mesmo assim estava com vontade de comer só uns ovitos cozidos, mas o meu marido adora aquelas lulas fresca, fritas em azeite; estão a ver…parecia a guerra na idade média quando entornavam os caldeirões com azeite a ferver para cima do inimigo, mas compreendo e aceito o apetite do meu marido - senão o que seria da vida se não fazemos uns miminho/sacrifícios um ao outro?
Continuava furiosa a ralhar com o fogão e com as lulas, fazia-o tão alto que os meus animais - gatos e cães estavam todos a olhar para mim pelo lado de fora da janela da cozinha, penso que estavam também á pesca/espera que alguma lula fosse ter com eles. O meu marido, espreitava da sala para a cozinha e ria-se, porque esta cena já era repetente e ele já a conhecia, para mim fritar lulas em azeite é um acto de prova de amor que lhe dou. Os meus protestos já são conhecidos na vizinhança e agora até falo com o frigorifico que está a verter agua para o chão e o meu marido só espreita para ver se eu estou bem,… da cabeça, claro! De que mais?... Ele sabe que eu sou muito faladora mas só para as coisas que lido de perto, melhor dizendo falo sozinha para as coisas e não faz caso. Quando acabei de fazer o jantar, sentamo-nos e demos graças ao Senhor pela refeição, como é costume lá em casa.
Enquanto como, observo o frigorifico, os azulejos, o fogão as bocas do fogão. Ai! Ai! O que vai ser de mim, vou passar o resto da noite a lavar a cozinha e nesse momento lembro-me das condições que a cafetaria do Fernando e da Miguel têm e prontos, está o caldo entornado, lá vem a clareza da água da fonte da vida ao de cima -é o que eu digo o mundo anda, mas anda a dormir e de vez em quando lá acorda
Umas das coisas que me chama muito a atenção é a atitude que cada um tem em relação a determinada situação e para mim basta que haja um olhar diferente para me chamar a atenção, noto imediatamente a diferença de comportamento nas pessoas, assim foi com a Nina que depois do almoço passa por mim sem dizer nada e cabisbaixa, o que não era normal.
Imagino a Nina e a Miguel a cozinhar para dezenas de pessoas com condições de campismo sempre com um sorriso nos lábios e bem dispostas e sem fazerem queixas a ninguém e depois olho para mim com mais condições do que a delas e eu cozinho para duas pessoas e chamo a atenção de metade da vizinhança e dos animais e acabo por dizer mal de tudo, sou uma ingrata.
Sei que tive uma falta de coragem que pode ser resolvida ao falar com as pessoas e também sei que tive mais uma lição da vida, porque não valorizei o que tenho, mas o mais grave para mim foi a minha atitude que tive perante pessoas que o sabem fazer –Miguel, Fernando, Marco, Helena e Nina – eu admiro-vos.



escrito por A.fe às 16:30

link do post | não sejas tímido | favorito
|

21 comentários:
De Anónimo a 21 de Outubro de 2005 às 18:48
Olá Maiata. Agradeço a visita no meu cantinho e o comment que deixaste. Gostei de ler-te e assim conhecer um pouco de ti, dos teus sentimentos, maneira de ser, visão desta vida. Nem tudo sai como queremos, às vezes metemos os pés pelas mãos, embora nesta caso acho que apesar de seres amiga, não deixas de ser cliente pagadora e como tal deverias ter insistido junto da Miguel, para trocar o prato, já que não estava a contento. Como te esqueces deste pequeno pormenor, tentas adornar a situação, apesar do teu âmago exigir retaliação e ter feito prevalecer a reclamação.
Bom fim de semana.
BjinhoBufagato
(http://bufagato.blogspot.com)
(mailto:luismcunha@gmail.com)


De Anónimo a 19 de Outubro de 2005 às 20:14
tengo una sorpresa para ti, en nuestro blog :)
besosromero
(http://romerodelpueblo.blogspot.com/)
(mailto:romero_del_pueblo@hotmail.com)


De Anónimo a 19 de Outubro de 2005 às 03:26
-Ana...todos tenemos momentos asi, mismo cuando son personas a quien queremos tan bien.
No seas tan dura contigo misma...mismo q ellos tengan se quedado sientidos ctg, creo q una amistad no se puede perder asi, habla con ellos, creo q ellos, se son asi mismo como hablas, hasta te pueden dar un "raspanete", pero todo quedara bien...pero no dejes de vuelver alla, y hablar!
Nada como el reconocimiento de un equivoco, y sin intencion, para que una amistad no se pierca...

Besitos.....tu historia, tan bien describida, hicieste como se yo misma estuviese alla...

Besitos :)***dizzie
(http://www.romerodelpueblo.blogspot.com)
(mailto:dizzie_guillespie@hotmail.com)


De Anónimo a 18 de Outubro de 2005 às 20:13
comentário puramente técnico:

Ana, tu neste texto despistas-te muito. Nota-se que foi escrito com o coração na boca (no caso, nos dedos) e não me parece que tenhas feito uma revisão. Há falhas no discurso, dislexias, mau emprego dos tempos verbais, aqui e acolá graves falhas ou erros de pontuação... Lembra-te que isso passa para a tua imagem. Limpa-a, revendo o texto calmamente, frase a frase, oração a oração. Apesar de ser um texto factual - não me parece retórico nem fabulástico -, requer o mesmo cuidado, para que a mensagem passe clara e limpa.José Alexandre Ramos
(http://quefarei.blogspot.com)
(mailto:alternancia@sapo.pt)


De Anónimo a 18 de Outubro de 2005 às 00:57
Ana Maria Costa
Venho agradecer a visita ao meu humilde livro de poesia e a leitura que fez ao meu soneto. É assim: Em 2004 quando construí o meu blog alimentava o sonho de o transformar num livro de poesia – o meu. Nesse tempo tudo isto era aliciante para mim, por isso, visitava muitos blogs, alguns dos quais, como o meu, pretendiam ser qualquer coisa mais e descobri verdadeiros talentos. À noite deliciava-me, como hoje lendo este seu texto, e quando gostava comentava. Se não gostava passava para outro local, e assim sucessivamente, nunca denegrindo ou sequer deixando qualquer coisa que destruísse o sonho…
Estava no mês de Março de 2004 e nem sequer me passava pela cabeça que tinha de permanecer no meu posto de trabalho, na Função Pública, para além dos 60 anos…
Aos poucos ia divulgando a minha poesia e alguns “pensamentos” e apercebia-me que existiam pessoas que diziam que gostavam dos meus poemas. Fui alimentando o sonho e, de sonho em sonho, fui escrevendo mais alguns poemas que, desta vez, não rasguei. A certa altura, quando apareci nos tops do Sapo, comecei a receber dardos envenenados de raiva tingidos de impropérios imerecidos e pouco dignos para quem os atirava. Fiquei triste e, mais riste fiquei, quando me ia apercebendo que a minha Parkinson começava a travar-me um pouco mais, a mão esquerda e a perna esquerda, mas, como sou católico, acredito que esta provação, ainda que ligeira, serve para testar a minha fé. Apesar disto continuei a escrever como catarse que repara os estragos na alma e no corpo. Devido a isto e dada a necessidade diária em me actualizar em matéria de Direito Penal e Direito Aduaneiro, porque no tempo não se pode estar ao mesmo tempo em dois lados, tive de optar pela primazia dos pareceres, relatórios, para além das cotas, das juntadas, das inquirições, interrogatórios e coisas mais. Por tudo isto, se com isto quero justificar o que adiante se verá, cortei os comentários aos poemas não viesse, eu, a depara com mais insultos no blog. E digo blog porque nos livros isto não se passa, pois, se não prestam não se compram. A partir daí e quando pararam os insultos resolvi abrir os comentários mas já era tarde: deixaram de comentar. Volto atrás, tudo isto para lhe dizer como é bem-vindo o seu comentário, pois agora penso, tal como eu não escrevia quando não gostava o mesmo se passa, agora, com a minha poesia.
Há uma semana que não escrevo, deixei novamente de escrever poesia e estou a pensar seriamente, desta vez muito a sério, acabar com o sonho…
Passando ao seu brilhante texto, que li até ao fim como se lêem os livros quando se gosta, gostei e retratei-me. Ou seja, às vezes por causa de um “bife duro”, razão qualquer de um nosso descontentamento, magoamos quem gostamos ou amamos sem qualquer intenção para que tal aconteça. Às vezes uma simples palavra, a mais, dita quando o silêncio seria o conselheiro, pode abalar ou azedar a sopa deliciosa da cozinheira “Nina”.
Já aconteceu comigo e tal como a Ana, a nossa virtude está em reconhecer os erros sublimando o nosso coração, porque, quando sentimos que fazemos “burrice” até as lulas, a fritar em azeite, parecem estar vivas e de salpico em salpico dá um trabalhão a reparar os “estragos”.
Mais uma vez os meus agradecimentos e perdoe-me este diálogo.
Cumprimentos,
Rogério M. Simõespoemas de amor e dor
(http://poemasdeamoredor.blogs.sapo.pt)
(mailto:romasi@sapo.pt)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 23:05
Meu Deus!
Já tens muitos comentários!
Muitos parabéns!
Tás a ver como te safas bem na crónica?

Obrigado pela visita.
Sabes que me convém ter uma Inês chata como a potassa. Portanto é assim.
Liberdade do autor.
Mas garanto-te que há pessoas assim...eh eh
JinhosAntónio
(http://eusoulouco.blogspot.com)
(mailto:a.castilho.dias@clix.pt)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 18:13
errar é humano, perdoar é divino, mas... e admitir que se errou? O que será? ;-) BJSamcatarino
(http://amcatarino.blogspot.com)
(mailto:amcatarino73@hotmail.com)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 16:10
Cara amiga Ana, acima de tudo o que considero mais importante no meio desse episódio é teres reconhecido o que te fez sentir mal contigo própria! Nao quer dizer que não tivesses razão em protestar pela dureza do bife, apenas talvez a forma como o tenhas feito não tenha sido a mais adequada (segundo tuas próprias palavras e tendo em conta as condições de trabalho daquelas pessoas)! Jamais me passaria pela cabeça fazer um julgamento á tua atitude, pois quem nunca errou que atire a 1ª pedra e eu certamente que já errei e muito!!! O Bonito disto tudo é a coragem que tens de reconhecer um "erro" publicamente e que sabes que podes sanar o mesmo e que mostras compreensão pela situação e uma atitude profundamente reflectiva! Oxalá a nossa Sociedade fosse constituída por muitas pessoas como tu! Um grande abraço e um beijinho...Carlos.Carlos Afonso
(http://carlosacafonso.blogs.sapo.pt)
(mailto:carlosacafonso@hotmail.com)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 13:21
no fue facile roer tus palabras, pero estas correcta:) besitoRomero
(http://romerodelpueblo.blogspot.com/)
(mailto:romero_del_pueblo@hotmail.com)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 01:42
Por vezes, somos impacientes com determinadas situações porque não costumamos passar por elas ou nesse momento, não estamos sensibilizados. De qualquer modo, penso que um pedido de desculpa frontal, carinhoso e humilde, tal como fizeste ao escrever este texto, resolverá o problema. Afinal és uma boa cliente e eventualmente, já uma amiga. Nestes casos, cumpre-nos remediar as situações e fazer um esforço por voltar a tê-las como anteriormente. A bem da amizade e/ou das boas relações.Mocho
(http://barrocodomocho.blogs.sapo.pt)
(mailto:mvilamoura@sapo.pt)


Comentar post

blogs SAPO
a diferença em mim vista por vós, é a mesma por mim vista em vós.