.as minhas fotos

.links

.pesquisar

 

.o mesmo eu

a diferença em mim vista por vós, é a mesma por mim vista em vós.

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Fazer olhinhos

Sexta-feira, 30 de Junho de 2006

Lembro…(não) sei

Lembro-me  que ainda faço no trilho
das malhas as pedras que conheço como letras do meu rio
 
 
Não é só o que me lembro.
 
Lembro-me das pessoas que falam junto à minha pele
no velório dos dias que passam e depois muitas_ já não as lembro
 
lembro a cor d’ água como a do vinho
mas não me lembro se alguma vez agarrei uma cor.
 
Lembro-me que o cérebro não é um ninho ao sol
é o chapéu que protege a minha geração
e não sei para que serve o cabelo
palhas que nascem, crescem e voam livres de ideias.
sei que  devo comer a polpa e não os buracos do queijo
e, quando quero encontrar o sabor do beijo regurgito-o do coração.
sei porque morre o milho no pão
e quase me esquece os olhos da espiga
mas não esqueço os da minha mãe.
Também sei que me lembro de tudo o que aprendi
e até o de  hoje acresce em mim
mas não me lembro se de noite vivi
e nem sempre acordo o que de noite não vi.
 
Não sei quanta lã de ovelhas precisa  
O calor do sol
nem sei quantas pedras precisa o meu rio
só sei que das malhas apanho as letras do meu trilho.
 
Ana Mª Costa
 

escrito por A.fe às 16:44

link do post | não sejas tímido | favorito
|

10 comentários:
De isa&luis a 30 de Junho de 2006 às 17:20
Olá menina,

Gosto de te ler,
e do teu sentir, uma torrente de emoções e sentimentos

Bom fim de semana repleto de sorrisos
Beijinhos
Isa


De Osvaldo Pastorelli a 30 de Junho de 2006 às 18:54
AnAmigAna, nesse lembrar sem lembrar exatamente vamos guardando as lembranças mais queridas no baú da nossa vivência, obrigado pela visita. Sucesso menina. Abraço.


De Amaral a 1 de Julho de 2006 às 11:52
Deixa-me ficar aqui mais um pouco a aplaudir estes versos tão doces, tão cheios daquilo que mais adoras: sentir!
E como a poesia não deveria comentar-se, mas apenar sentir-se, o resto desta frase é um silêncio carinhoso...


De alice a 4 de Julho de 2006 às 20:11
lembra-me que tenho de marcar um encontro contigo, isto sou eu a roubar o verso maravilhoso do júdice, o quanto antes para matar saudades, gosto de ti, boa semana, beijinhos,

alice


De auréllio a 4 de Julho de 2006 às 21:30
oi tudo bem? também não me lembro de certas coisas mais sei que um dia vai está lá e vou me lembrar de quem sempre esteve ali esperando por mim.até mais....


De margusta a 7 de Julho de 2006 às 10:01
"Um ano depois"

Ana Maria...deixo-te um abraço intemporal....


De soaresesilva a 10 de Julho de 2006 às 00:18
Como alguém dizia aqui atrás, a poesia não se comenta: sente-se e vibra-se com ela. Eeu senti e vibrei com as tuas palavras.


De Raquel a 12 de Julho de 2006 às 01:37
Querida Ana! Não me esqueço de ti! Tenho-me deliciado com os teus poemas. Gostei particulamente deste.
Já agora parabéns pelo pulsar de poesia na tua lista! Não tenho participado porque os versos nem sempre saem.

Beijinhos,
Raquel


De Amaral a 12 de Julho de 2006 às 19:05
Já tenho saudades de ler coisas novas neste cantinho aonde me habituei a vir...


De Mikas a 13 de Julho de 2006 às 22:20
Dá uma passadinha lá no meu blog. Beijos


Comentar post

blogs SAPO
a diferença em mim vista por vós, é a mesma por mim vista em vós.